Prefeito reúne com secretários municipais

1645

O prefeito Pedro Coelho reuniu na tarde de segunda feira, 02/01, com todos os secretários municipais para saber a real situação de suas secretarias. O líder do executivo soube da exoneração dos servidores temporários e da falta de material de trabalho das secretarias.

Não foi fácil o primeiro dia dos secretários municipais. Todos, sem exceção, encontraram problemas em suas secretarias. As falhas deixadas pelo governo anterior começavam desde falta de copo descartável e papel oficio para impressão, até carros quebrados como ambulâncias e máquinas agrícolas.

De acordo com o secretário de saúde, Silvan Silva, ao assumir a pasta encontrou uma dívida em torno de R$ 6. 500.000 (seis milhões e quinhentos mil reais). Já na secretaria de educação todos os arquivos dos computadores foram apagados ou levados. Já Adriano Silva Secretário de Educação disse que espera solucionar alguns problemas técnicos, assim como o conserto dos ônibus escolares. “Recebemos a secretaria em condições razoável, mas essa é uma missão para que a nova gestão possa implementar novos processos, mais céleres e transparentes que vão ao encontro do objetivo principal da educação, que é cuidar bem das crianças. Nós já iniciamos o processo de recuperação da nossa frota e queremos começar o ano letivo no início de fevereiro. A nossa frota interna estará em condições de uso até o início das aulas, assim como a frota contratada”, enfatizou o Secretário de Educação, Adriano Silva.

Segundo o prefeito Pedro Coelho, o governo municipal vai superar de forma rápida os contratempos das secretarias. O grande desafio do prefeito será a exoneração de boa parte dos servidores municipais temporários. De acordo com Pedro Coelho atualmente a folha salarial da prefeitura está comprometida em 70%, sendo que a lei tolera o máximo de comprometimento em até 54%. O Ministério Público determinou de imediato a exoneração dos servidores contratados e a convocação dos aprovados no último concurso público. “Nós já esperávamos que isso fosse acontecer nas secretarias, o que não podemos deixar acontecer é faltar recursos para a saúde. Com relação a demissão dos servidores temporários, a norma jurídica da administração pública enfatiza que os gastos com a folha salarial não podem chegar a 54% se não está fora da lei. Nós pegamos o município onde está se gastando 70% com a folha.

A administração passada não cumpriu a norma e o Ministério Público exigiu que os contratados fossem exonerados. Infelizmente temos que cumprir a lei dessa forma, onde muitos pais de família com vários anos de prestação de serviços terão que ser afastados de seus cargos. Mas não queremos cometer o mesmo erro que as administrações passadas cometeram”, disse o Prefeito de Castanhal, Pedro Coelho.