Centro de parto normal de castanhal: onde a vida nasce de forma mais natural e humanizada

1067

Uma casa simples e aconchegante, com cinco quartos batizados de Conforto, Amor, Bem-estar, Felicidade e Segurança, sala de convivência social, refeitório e cozinha; mas a diferença das outras, é que lá nascem bebês através do método mais antigo e natural da humanidade: o parto fisiológico, o parto normal que fortalece a saúde do bebê e proporciona melhor recuperação tanto para o recém-nascido quanto para a mãe.

O Centro de Parto Normal (CPN) Haydée Pereira de Sena, vinculado a Secretaria Municipal de Saúde, é destinado à assistência ao parto de baixo risco com atendimento humanizado à gestante e ao recém-nascido nas fases do pré-parto, parto e pós-parto.

A missão da equipe do CPN é atender a mulher como protagonista do seu parto e acompanhar esse trabalho como uma experiência pessoal, cultural, sexual e familiar.

Para a enfermeira obstétrica Mirian Sales, coordenadora do CPN, cada Estado brasileiro possui uma casa de parto normal, criada pelo Ministério da Saúde como política pública para redução da mortalidade materno-infantil e, consequentemente, das cesarianas.
O casal Welington e Rosivani pais do Benjamim e o casal Carla e Alan pais do Matias souberam da existência do CPN por amigos, após conhecerem o ambiente e participarem das rodas de conversa não tiveram dúvidas quanto a escolha pelo parto normal; durante o processo de acompanhamento gestacional, o vínculo criado com o CPN foi tão forte que eles o consideram como sua segunda casa e construíram com a equipe do Centro uma relação de amizade.

“Considero a cesariana uma cirurgia de emergência na qual você não combinou com a pessoa mais importante que é o bebê. No parto normal nos permitimos viver a maternidade e nos recriamos como pessoa”, sintetiza Welington Marinho.
O CPN funciona 24 horas por dia, sete dias da semana com uma triagem para acolhimento humanizado, equipe formada por dois enfermeiros obstétricos e dois técnicos de enfermagem capacitados para atender de forma respeitosa a parturiente.

Fonte:ASCOM-PMC.
Fotos: Wanderley Souza –Ascom.